segunda-feira, 25 de março de 2013

Construa...


Sai dessa ilusão, ninguém vai te parar na rua e falar: “Oi, eu te amo”. Amor é construção, leva tempo, precisa de trabalho, precisa de abraço. Então para de ficar por aí esperando um acaso e faça você mesmo seu próprio destino. 

— Caio Augusto Leite

Os anos....


“Tenha sempre presente que a pele se enruga, o cabelo embranquece, os dias convertem-se em anos… Mas o que é importante não muda; a tua força e convicção não tem idade. O teu espírito é como qualquer teia de aranha. Atrás de cada linha de chegada, há uma de partida.”

Madre Teresa de Calcutá

Medo


“Pobre de quem teve medo de correr os riscos. Porque este talvez não se decepcione nunca, nem tenha desilusões, nem sofra como aqueles que têm um sonho a seguir. Mas quando olhar para trás - porque sempre olhamos para trás - vai escutar seu coração dizendo: “O que fizeste com os milagres que Deus semeou por teus dias? O que fizeste com os talentos que teu Mestre te confiou? Enterraste fundo em uma cova, porque tinhas medo de perdê-los. Então, esta é a tua herança: a certeza de que desperdiçaste sua vida”

Paulo Coelho

Nossas atitudes...


“Nossas atitudes escrevem nosso destino. Nós somos responsáveis pela vida que temos. Culpar os outros pelo que nos acontece é cultivar a ilusão. A aprendizagem é nossa e ninguém poderá fazê-la por nós, assim como nós não poderemos fazer pelos outros. Quanto mais depressa aprendermos isso, menos sofreremos.”

Zibia Gasparetto

Laços e nós.


Crie laços com pessoas que lhe fazem bem, que lhe parecem verdadeiras. Desfaça os nós que lhe prendem àquelas que foram significativas na sua vida mas, infelizmente, por vontade própria, deixaram de ser. Nó aperta, laço enfeita ,simples assim.”

Caio Fernando Abreu

Coincidência ou Destino?

Conheci o meu esposo quando fui trabalhar pra ele, eu sempre soube que ele era uma pessoa especial, tínhamos gostos diferentes, mas, ele era o tipo de pessoa que eu admirava, uma pessoa mais introspectiva, mais focada no futuro, enquanto eu, era uma menina que mal sabia o que queria da vida e a qual "mundo" pertencia, o que nós dois não esperávamos é que nossos opostos se encaixassem.
Durante toda essa minha Jornada de descobrir quem eu sou e a qual tribo me encaixo, eu venho tentando decifrar se tudo que acontece conosco é coincidência ou destino, me peguei pensando como pode você conhecer o amor da sua vida, depois de anos sofrendo com desilusões e ele ter estado sempre ali do seu lado e você não perceber, dezoito anos se passaram até eu encontrar alguém que esteve ao meu lado a vida toda, e ela só me deu a oportunidade de conhecê-lo em, um bairro diferente, uma situação diferente, com pensamentos diferentes, sempre que converso com ele sobre, como tudo seria melhor se nos encontrássemos antes, ele diz que não seria bom, que nossos objetivos não seriam os mesmos, que nossa capacidade de entender a situação pela qual o outro esta passando, não seria tão boa quanto agora, que nós não teríamos aprendido com as desilusões e não seríamos tão unidos. Acontece que poderíamos ter nos conhecido mais cedo, ele morava do lado da casa do meu pai, conhecia meu tios, meus primos, tinha os mesmos amigos que eu, frequentava as mesmas rodas que eu, e nunca nos vimos, precisamos trabalhar juntos, pra descobrirmos que durante toda a vida estávamos tão perto, e mesmo assim tão longe, nós tínhamos o mesmo caminho a ser traçado, mas a vida por coincidência ou destino, preferiu que somente agora, pudéssemos trilhar juntos o nosso futuro.

(Coisas do Coração de uma Jornalista - B.L)

sexta-feira, 22 de março de 2013

“É o que fazemos. Brigamos. Você fala quando estou sendo desgraçado e arrogante, e eu falo quando você está sendo uma chata irritante. Que é o que você é 99% do tempo. Eu não tenho medo de magoar você. Fica chateada por uns 2 segundos e em seguida volta a fazer a próxima coisa irritante.”

“As coisas mais importantes da vida não são exatamente as maiores. Há pequenos gestos sinceros, rápidos, simples, às vezes tímidos, que podem transformar um dia inteiro, um ano completo, a vida toda! “Sorriste e falaste comigo sobre nada, e senti que era justamente isso que eu há tanto tempo esperava”.”

Viva sempre tudo que vida lhe oferecer, corra sempre em busca daquilo que sonhou… Goste de tudo que faz seu coração bater mais forte e faz suas pernas tremerem, mesmo que no final, não dê certo, o importante é você saber que tentou, e não ficou no ‘quase’, porque quem, “quase vive” não vive, está “quase” morto.”

“O mundo é como um espelho que devolve a cada pessoa o reflexo de seus próprios pensamentos. A maneira como você encara a vida é que faz toda diferença.”

Luis Fernando Verissimo

“Lute com determinação, abrace a vida com paixão, perca com classe e vença com ousadia, porque o mundo pertence a quem se atreve e a vida é muito para ser insignificante.”

Charles Chaplin

Quem sabe eu até vá a casamentos de colegas, chás de avós e campeonatos de xadrez de afilhados. Ou então serei sempre essa causa perdida. Num dia eu acordo e sou só um alguém entediado, e no outro somos duas pessoas numa confusão sem tamanho. Não sei salvar ninguém. Mas, como dar uma de herói quando o crime a combater é você mesmo?”

quinta-feira, 21 de março de 2013

Lindooooo


Viva e deixa vida viver você!!!!!


Não pense em como você sofreu no passado, mude a página, ignorar o andamento da vida, de sempre ir pra frente, é como ignorar que todos os dias você vai acordar, o seu passado é a melhor formar de você ser capaz de escrever, o seu futuro, ignore os sentimentos de abandono, de solidão, afinal, você tem tantos outros sentimentos, tão bonitos à mostrar, seria chato se ninguém visse, vista-se como se hoje fosse o seu último dia, pense como se você só tivesse esse momento, atitudes e pensamentos inusitados, sempre são bem vindos, criatividade e felicidade sempre são admirados,
tristeza e solidão fazem mal pro Coração, não perca o seu tempo, o meu tempo, o nosso tempo, tentando reviver o que foi bom, pois estará sempre perdendo, a oportunidade que a vida está lhe dando, de reviver tudo isso de uma maneira melhor no futuro. 
Acredite que Hoje é o seu melhor dia, pense, dance, sinta, viva. 

(Coisas do Coração de uma Jornalista - B.L)


quarta-feira, 20 de março de 2013

Magic

Porque aprendi, que a vida, apesar de bruta, é meio mágica. 
Dá sempre pra tirar um coelho da cartola.

Mas não te procuro mais...

Mas não te procuro mais, nem corro atrás. 
Deixo-te livre para sentir minha falta, se é que faço falta. 
Tens meu número, na verdade, meu coração, 
então se sentir vontade de falar comigo ou me ver, 
me procura você.

Caio F. Abreu

Tô me afastando de tudo que me atrasa, me engana, me segura e me retém. 
Tô me aproximando de tudo que me faz completo, me faz feliz e que me quer bem. 
Tô aproveitando tudo de bom que essa nossa vida tem. 
Tô me dedicando de verdade pra agradar um outro alguém. 
Tô trazendo pra perto de mim quem eu gosto e quem gosta de mim também. 
Ultimamente eu só tô querendo ver o ‘bom’ que todo mundo tem. 
Relaxa, respira, se irritar é bom pra quem? 
Supera, suporta, entenda: isento de problemas eu não conheço ninguém. 
Queira viver, viver melhor, viver sorrindo e até os cem. 
Tô feliz, tô despreocupado, com a vida eu tô de bem.










Catedrais

Você já ouviu o silêncio maravilhoso pouco antes do amanhecer? 
Ou aquele silêncio tranquilo depois de uma tempestade? 
Aquele silêncio de quando lhe perguntam algo e você fica sem palavras? 
Silêncio de uma estrada á noite, 
a pausa de uma conversa em uma sala onde 
várias pessoas falavam ao mesmo tempo e do nada todas ficam caladas? 
Existem vários tipos de silêncio, você sabe, 
eu sei, o que nos resta é saber interpretá-los.

Bom Diaaaaaaaaaa!!!!! "Que Comecem os Preparativos", kkkkkkkkk Adoroooooooooooooooooo


terça-feira, 19 de março de 2013

Amooooooo


*


~~


H.R.E


7 livros.
3.505 páginas.
14 anos.
67 idiomas.
9 indicações ao Oscar.
8 filmes.
Cerca de 141 feitiços.
11 letras.
1 lenda.
1 amor.
Não precisa de foto nem nome para saber do que estou falando.

^^

“Não tem essa de “Só love”
E nem “Amor, I love you”
Eu quero fugir das rimas
Que condenam meu inglês
Quero mesmo te por pra cima
Com meu pobre português:
- “Vem pra cá, pra eu te ninar”
Coisas do tipo, vão te alegrar?”

;)

” É claro, hoje eu me valorizo mais. Não deixo qualquer palavra de qualquer pessoa me atingir, não choro pelo que não vale a pena, não imploro amor de ninguém, descarto falsidade e não corro mais atrás de quem eu sei que não me quer por perto.”

Me

Eu sou antipática mesmo, o mundo tá cheio de gente brega e limitada,
e é um direito meu não querer olhar na cara delas, 
não tô fazendo mal a ninguém, só tô fazendo bem a mim.


Fernanda Youg

Alguém me perguntou se eu conhecia você, um milhão de memórias passaram pela minha mente e eu sussurrei: Não mais.


Eu não quero ter razão, eu quero é ser feliz.


Forever


Eu quero receber a nossa família nos domingos, na nossa casa. Eu quero ouvir você me perguntar sobre a sua camiseta, e responder que está no nosso quarto. Quero ouvir você me chamando pra deitar na nossa cama. Quero ouvir meus filhos te chamarem de pai, nossos filhos. Nossos netos. Quero dividir tudo com você, inclusive a minha vida. Nossa vida juntos. Quero olhar o passado e sorrir por todos os anos em que estivemos juntos. Olhar pro futuro, e ver que se me resta apenas um dia ou muitos anos, eu vou estar ao seu lado, com certeza. Eu quero me lembrar de como nos conhecemos, e de todo amor de antes, e perceber que o amor está intacto. Quero te amar todos os dias como no primeiro dia, e quero que você se sinta assim também. É isso que eu quero pra nós dois, um amor que dure pra sempre.
(Taís Costa)

*-----*


:3




Winter is Coming

Já joguei “O Jogo dos Tronos”,
Já Senti a “Fúria dos Reis”,
Já enfrentei uma ”Tormenta de Espadas”,
Já vi “O festim dos Corvos”,
Já aprendi como se “Dança Com Dragões
e logo logo vou sentir "Ventos de Inverno".



Frio...


Frio = sem insetos no quarto

Frio = sem calor chato
Frio = sem suor
Frio = roupas estilosas
Frio = chocolate, coberta, filminho
Frio = vida



Changes


“Parem com essa necessidade
 neurótica de mudar os outros.
 Ninguém muda ninguém.”







O Vendedor de Sonhos.

Calma...


"Eu sou assim: Levo meus livros Comigo,
 para os lugares que vou.
 Às vezes até sei que não terei tempo de os ler
, mas os levo mesmo assim.
 É que ter a história por perto me acalma."


Bom Dia!!!!!


segunda-feira, 18 de março de 2013

Chapter: 04


Jhonatan


Cheguei em casa com o beijo na cabeça ainda.
- Pirralha, cheguei!!! Fui direto pra cozinha, pegar gelo. - Aquele babaca, vai ter o troco. Pensei. Estava sentando, no sofá da sala, quando a Suh apareceu.
- Mas que droga,.o que aconteceu com você Jhonatan? Ela só me chama pelo nome completo, quando ta realmente zangada. Sorri- Responde...- Uma panela caiu, em cima de mim.- Sei, uma panela. Ela foi até a cozinha e voltou com um bife, que me entregou, coloquei ele no rosto. - Isso por que você disse, pra eu não arrumar encrenca.- Sabe como é?!?!?!?! Sorri e isso doeu um pouco.- Oque realmente aconteceu?- Uma louca, me agarrou e me beijou, e o namorado dela não gostou.- Você e mulheres são uma combinação preocupante Jhon.- Relaxa Suh, foi só um olho roxo.- Sei,vou colocar o almoço, vai lavar essas mãos. As vezes me esqueço, de como a Suzanah cresceu.- O que você fez de almoço Pirralha? Pergunto do banheiro.- Lasanha. Chego na cozinha e ela já está sentada, à mesa, teclando uma SMS com uma mão e segurando o garfo, com a outra.- Está falando com quem?- Ah... é... ninguém. ela dá um sorriso falso.- Não sabia que, ninguém, agora tinha celular, fala logo Suh quem é?- É só um amigo Jhon. Estava prestes a começar, o meu sermão de irmão preocupado, quando meu celular tocou, olhei o visor, era o Carlos da mecênica.- Fala ai Carlos, o que houve irmão?- Jhon, o Marcello faltou, preciso que você dê um pulo comigo, la no centro, rapidinho.- Agora não dá cara, to almoçando com a Suh.- Vai Jhon, eu ainda vou estar aqui quando você voltar. disse ela aliviada por não escutar o sermão.- Está certo, chego ai em cinco minutos. Desliguei. - Não vai achando, que você vai escapar dessa conversa não pirralha. Pego o capacete, a chave da moto e como prometido, chego na loja em cinco minutos.- Jhon, fico te devendo essa. Subi no reboque e fui pensando, em como, a suzanah me dava umas dores de cabeça, de vez em quando. chegamos no local e fiquei admirado com o carro, era um BMW X5 SUV Preto, o motorista desceu, e eu, fui dar uma conferida na belezura à minha frente, estava tão distraído com o carro que não a vi sair, dele, até ela esbarrar em mim.
- Descul...ela nem terminou a frase, ficou ali olhando, deve ter visto meu olho roxo e estava se divertindo por dentro.- Você de novo? Disse ele sorrindo. - Seu namoradinho não vai aparecer, e me socar novamente, vai ? disse, olhando em volta e, procurando pelo cara, para dar o troco.- Você é mecânico também? Perguntou ela, com cara de espanto. Qual é, um cara não pode ter dois empregos? pensei.- Melissa, você quer que eu chame um Táxi? Perguntou o Pinguim.- Não precisa, vou esperar na cafeteria, do outro lado da rua. Respondeu ela meio nervosa. Sinceramente, qual é o problema dessa garota? Fui até o reboque peguei o, estepe e o macaco, trocar um pneu é fácil, faço isso desde os 14, e continuei fazendo, depois que minha mãe saiu de casa, pra sustentar a Suh. Estava acabando de trocar o pneu, quando o Carlos perguntou.- Acabou ai?- Acabei.- Certo, vou chamar a Melissa, pra nós irmos, e Carlos, não esquece de ligar pra ela hoje de noite. disse o pinguim, enquanto atravessava a rua.- Quem é ele? Perguntei- Esposo da minha irmã, por isso fiz questão, de vir rápido.Ela atravessou a rua correndo e entrou no carro.- Carlos, já ia me esquecendo, ela te contou que é um menino? disse o pinguim. Aproveitei que eles estavam numa "Zona Familiar" e fui em direção ao carro, eu não ia deixar barato o lance do beijo e do soco, não ia mesmo, se apanhei pelo menos ia fazer valer a pena, bati no vidro e ela foi abaixando, me inclinei e disse.- Melissa, estou certo? Disse e fiquei admirado em como ela realmente, era linda.-Isso. Respondeu.- Então, Melissa, acho que você me deve, pelo beijo de hoje cedo. Disse, jogando todo o meu charme.- Não sabia que, além de garçom e mecânico, você também ganhava dinheiro com beijos. respondeu ela sorrindo, era isso, eu queria agarrar ela, ali mesmo, na janela do carro, pra sentir de novo, o gosto do beijo dela. Tirei um cartão do bolso do macacão e entreguei a ela.- Me liga, quando precisar de reparos no carro novamente. E sai, sem esperar ela responder, já estava quase perto, do reboque, quando escutei.- Hey, aqui não tem seu nome e você também não me disse.- Me liga, e eu te digo. Subi no reboque, e o Carlos ligou o motor.
- O José me disse, que você levou o soco por causa dela, é verdade?
- Quem é José? perguntei.
- Meu cunhado.
- Ah... foi sim, ela me agarrou no evento hoje mais cedo, e o namorado dela não gostou.
- Sei...

A verdade é que, eu tinha gostado do que aconteceu, do beijo, do toque, do cheiro dela. Ela parecia, aquelas guerreiras Amazonas,mas com uma sensibilidade e uma fragilidade no olhar. Era morena, mas com um toque dourado, tinha olhos cor de mel, que me hipnotizavam, tinhas as curvas perfeitas, eu ficaria horas, só olhando e admirando a beleza daquela guerreira intocável, mas eu nunca deixaria ela descobrir isso, pessoas como ela, não andam com pessoas como eu - Principalmente sendo o que eu sou. Chegamos na Loja e o Carlos foi logo pagando minha parte, troquei de roupa, peguei a moto e fui pra casa.

- Suh, Cheguei!!!
- Tô aqui em cima.
- Tá fazendo o que Pirralha?
- Vendo as roupas, que vou levar pra casa da Lúcia, na sexta.
- Então... eu tinha esquecido de te avisar, ia contar no almoço mas não deu, eu vou com você no sábado.
- Sério? ah Jhon.... disse ela me abraçando e chorando.
- Eu sei que estou em falta, com você, mas no sábado eu pago essa dívida. Sorri.
- Vou ligar pra Lúcia e avisar. Ela saiu do quarto correndo e eu fui tomar um banho.

Não era tarde quando o celular tocou, era a Paula, uma garota que eu ficava.
- Oi Jhon... disse ela, com a voz, mais vulgar.
- Oi Pâmela.
- Eu e umas amigas queremos sai hoje a noite, topa?
- Aonde vocês vão?
- Na The Club.
- Vou ligar para o Sam, e encontro vocês lá. Desliguei.
- Você vai sair?
- Vou, quer dormir na casa de alguma amiga, Pirralha?
- Não, tenho uns trabalhos, da escola, pra entregar na segunda.
- Vou me arrumar, não precisa me esperar acordada, ouviu? peguei o celular e disquei o numero do Sam, enquanto ia pro quarto me arrumar.

Chegamos na Boate e ela já estava lotada, a fila do lado de fora estava imensa, a The Club é, a Boate, mais cara do cidade, eu não teria dinheiro nem pra pagar, uma água, lá dentro, mas como toda Boate chique, tem sempre pessoas, de bairros, de classe mais baixas, trabalhando nelas, esse era sempre o nosso esquema, os seguranças eram meus amigos e os Barmans eram amigos do Sam. Passei um SMS pra Paula, que disse, que já estava no bar, entramos, fui direto ao bar, e encontrei ela com as amigas, estava usando um vestido curto, com decote, saltos e o cabelo cacheado, loiro, estava solto.

-Oi Gatinho. disse ela vindo me beijar, não sei o que estava acontecendo, mas não era mais a mesma coisa entre nós dois, a noite foi passando e estava, tudo de costume até a Paula me arrastar pro banheiro, a porta estava fechada então ela me empurrou na parede e começou a me beijar. Qualquer cara Normal,teria transado com ela ali fora mesmo, até eu, mas hoje algo estava diferente, duas meninas sairão do banheiro e ela me puxou, ela estava gostosa e decidida, foi beijando meu pescoço, enfiando uma mão dentro da minha calça e com a outra, tirando minha blusa, peguei ela pela cintura e coloquei em cima da pia, levantei o vestido dela, e coloquei minha mão entre suas coxas, ela foi abrindo meu zíper, enquanto eu beijava seu pescoço e sentia ela ficar mais quente e então a porta se abriu.

- Eu não estou bêbada Sarah, só um pouco tonta, então pode par...
- Uaaaaallllll....

Droga era ela. 


B.L

domingo, 17 de março de 2013

#Ficadik ~

"Nunca Coloque o seu coração, na mão de quem nunca te daria, nem mesmo a mão."

 

B.L

Chapter: 03


Melissa



- Nossa, o que foi aquilo lá dentro, Melissa?
- Aquele babaca, ta transando com a Elisa, você acredita nisso Sarah?
- Isso eu entendi amiga, o que não entendi foi, você e aquela maravilha de garçom agarrados.
- Eu disse, que da próxima vez que ele me magoasse, eu  ia dar o troco, eu disse. Senti meus olhos queimarem e a lágrima cair.
-Vem Mel, nós já chegamos.
Sai do hotel tão desesperada, tão transtornada, que nem me despedi dos pais do Luke, só de lembrar me da um nó na garganta.
- Como ele pode Sarah? Como?
- Amiga, você não achou que fosse ficar com ele pra sempre não é? Ele é o Luke, ele faz o que ele quiser.
- Não, eu sempre soube que ele ia Foder tudo, só não imaginava que fosse com ela . Desci do carro e entrei no elevador,
- Mel foi melhor assim, vocês já estava estranhos desde a festa do Lúcio.
- O pior é, que é verdade Sarah.
- Mas, assim, mudando de assunto, o garçom gatinho beija bem ? Ela sorriu.
- Sarah, você é, definitivamente, uma safada. Ela sorriu novamente enquanto saíamos do elevador e abráamos a porta do apê.
Estavmos entrando na sala, quando a Carla apareceu.
- Melissa, o Luke ligou e disse que esta vindo para cá, aconteceu algo? Achei ele meio nervoso... você estava chorando minha filha?
- Carla, faz um chá pra Mel que ela está precisando e diz pra não deixarem o Luke entrar no Prédio.
- Pode deixar Sarah.
- Mel agora me conta, como você descobriu, sobre o luke e a elisa. Contei tudo que a Elisa me disse no banheiro e como ele reagiu do lado de fora do hotel.
- Você acha que foi por causa da briga, que vocês tiveram ontem ?
- Não, eu acho, que eles já deviam estar juntos à um tempo.
- E o carinha do beijo quem é ele? Eu estava pensando a mesma coisa, antes dela me perguntar, aqueles olhos são familiares, e o beijo, só agora eu percebi que ele correspondeu, ele tinha um gosto de algo melhor, algo certo.

- MELISSAAA... Diz sarah, me tirando do, meu devaneio
- Ah, oi Sarah, fala qual foi a pergunta mesmo?
- Você está bem ? Está com uma cara...
- Não, eu esto bem. Menti, eu não estava nada bem, tudo estava tão errado na minha vida, mas não queria preocupar a Sarah.
- Que bom, e ai, sabe ou não sabe quem era o carinha?
- Eu não o conheço, nem quero conhecer, chega de falar nisso, foi só o troco no Luke.
- O chá de vocês meninas.
- Obrigado Carla. Respondo, enquanto sinto o celular vibrar, uma mensagem do Luke, " - Você, vai ter que me encontrar na faculdade segunda, não tem jeito gatinha. Luke". Merda, a minha vida não podia piorar, mostro o celular a Sarah.

- O que você vai fazer Mel ?
- Não tem outro jeito, tenho que resolver isso com ele na segunda de manhã. Levantei do balcão.
- preciso de um banho e uma corrida, não nessa ordem, topa dar uma corrida comigo?
- Só, se você prometer que, mais tarde, vai no centro comigo, fazer compras. Diz ela toda empolgada.
- Eu topo.
- Ótimo, passo aqui em quinze minutos. Ela pega suas coisas e sai. A Sarah é minha melhor amiga, desde que meus pais ainda eram vivos,  faz treze anos que nos conhecemos e ela sempre foi assim, pra cima, quando meus pais morreram, no acidente de avião a dois anos, ela e o Luke foram as pessoas que mais me deram apoio.

- Eu preciso conversar sério com o Luke, apesar de tudo, ele sempre foi meu amigo. Disse baixinho e entrei no quarto, vi que a Carla tinha arrumado minha bagunça, ela faz o tipo mãezona, está conosco desde quando eu era pequena. Abri o armário, peguei minha calça de lycra, uma regata e vesti, calcei o tênis e fui pra sala buscar meu Ipod, dei uma olhada nas minhas Playlists enquanto ia pra cozinha, abri a geladeira e vi que tinha suco de laranja com mamão, meu preferido, peguei um copo e me servi ao som de "Home" do  Phillip Phillips, virei de uma vez, coloquei o copo na pia e fui para a sala, estava fazendo o rabo de cavalo quando a sarah ligou.
- Estou descendo. Respondi. Peguei as chaves e abri a porta, lembrei que eu ia almoçar em casa e gritei.
- Carlaaaa to indo correr com a Sarah, volto pra almoçar em casa, beijos. Não esperei ela responder, bati a porta e fui esperar o elevador, quando o celular tocou de novo, aporta do elevador estava abrindo, entrei e atendi o celular.
-Melissa Falando.
-Oi mellissa, aqui é a Julia, vamos precisar de você amanhã aqui no Museu, estamos tendo problemas com, a catalogação das peças que vão entrar em exposição no proximo fim de semana.
- Claro Juh, amanhã as oito pode ser? a porta do elevador abriu e eu sai.
- Pode sim, às oito está ótimo, nos vemos amanhã então Melissa e muito obrigado por vir ajudar. Quando desliguei, já tinha entrado no carro da Sarah.
- Podiamos correr no parque hoje? Perguntei.
- Claro, gosto mais de lá também. Quem era no celular?
- Era lá do Museu, problemas com a catalogação.
- Hum... boa matéria.
- Nem pensar Sarah, eles me matariam. A Sarah faz faculdade de Jornalismo e eu de História, ela trabalha no jornal dos pais e eu no Museu da cidade.
- Chegamos, vamos tirar desses corpinhos lindos, a tequila de ontem. Correr com a Sarah é muito bom, ela fica tão concentrada quanto eu, então, aproveitei para pensar nesses últimos dias e vi que tinha um turbilhão de emoções acontecendo, prometi que ia resolver tudo com o Luke e não iria voltar atrás, nosso namoro já não estava bem fazia tempos e ele não era mais o carinha, pelo qual eu me apaixonei no colegial. Sarah parou pra respira e eu aproveitei pra perguntar.

- Quer almoçar lá em casa hoje?
- Não vai dar, vou almoçar com a minha mãe, ela disse que tem um comunicado importante a fazer, tenho certeza que é sobre as bodas e como eu vou ficar linda de madirnha. Ela revira os olhos.
- Tudo bem.
- Seus irmãos não iam chegar hoje? Achei que, eles fossem almoçar com você.
- Vão voltar só na proxima semana, eles adiaram de novo.
- Ok, quer ir pra casa? Eu já cansei mesmo. Disse ela, ainda se recuperando.

 A viagem pra casa foi silenciosa, ela estava pensando no que a mãe queria, e eu, no que iria fazer com a minha vida.

- Passo as três pra te buscar ? Disse ela, estacionando em frente ao meu prédio.
- Certo, me liga quando estiver aqui em baixo. Passei pelo hall e peguei o elevador.
- Carlaaaaaaa, cheguei.
- Vou colocar a mesa.
- Eles ligaram?
- Não, desde ontem que não ligam, você vai tomar banho, enquanto coloco a mesa?
- Isso. Disse indo pro banheiro, deixei a àgua bater na minha cabeça, e se misturar com as minhas lágrimas, essa era a minha vida, problemas com um namorado infiel, irmãos mais novos rebeldes, a empresa dos meus pais, além de adminstrar dentro de mim toda a falta que eu sentia deles, desde o acidente.

A tarde de compras com a sarah, estava perfeita, até a mãe dela ligar de novo e ela ir embora com a minha carona, liguei para o José, que veio me buscar imediatamente, nós mal saimos do shopping e o pneu estorou, acho que esse sábado, não podia piorar, José ligou pro reboque, que disse que, iriam demorar uns trinta minutos, ficamos lá os dois, sentados dentro do carro, aproveitei para conversar com ele.
- Como vai a sua esposa José?
- Está ótima, já da para sentir o neném mexer.
- Vocês já sabem o sexo?
- É um menino. Disse ele emocionado, continuamos a conversa, até o reboque chegar, desci do carro digitando uma SMS, rabugenta, pra Sarah e acabei esbarrando no mecânico.

- Descul... Travei, e lá estavam os mesmo olho,s eu nunca iria esquecer eles, a sensação voltou, era estranho, algo como, medo e felicidade ao mesmo tempo.
- Você de novo? Disse ele sorrindo. - Seu namoradinho não vai aparecer, e me socar novamente, vai ?
- Você é mecanico também?
- Melissa, você quer que eu chame um taxi? Disse José, me tirando do choque.
- Não precisa, vou esperar na cafeteria, do outro lado da rua. Atravessei confusa, com o reencontro, de onde será que eu o conheço? Ele não faz o tipo que, eu já teria visto em alguma festa ou evento, a não ser, que ele tenha sido garçom em outros eventos, é isso, só pode ser isso, apoiei no balcão e pedi um café, já tinha terminado o café quando José veio me chamar, abri a porta do carro e entrei, o vidro estava abaixado e pude reparar nele com mais calma.

Ele era alto, mas, não muito mais alto que eu, era branco, mas, tinha um bronzeado maravilhoso, e aquele macacão de mecânico caia muito bem nele, os olhos eram azuis, o cabelo preto e arrepiado, a barba por faver deixava ele mais misterioso, agora eu entendi o que a Sarah queria dizer, quando chamou ele de gatinho, ele era sexy. Não sei se ele me viu olhando ou foi só a intuição, mas, ele começou a me encarar e veio na minha direção, como se, soubesse o que eu estava pensando.

- Bobeira Melissa, o vidro é fume. Disse baixinho. Ele bateu, com o nó dos dedos, no vidro e eu abaixei tremendo enquanto ele se inclinava, pelo lado de fora da janela
- Mellissa, estou certo?
-Isso. disse com a voz falhando.
- Então, Melissa, acho que você me deve, pelo beijo de hoje cedo. Ele sorriu e pude reparar como os labios dele eram de um rosa delicioso.
- Não sabia que, além de garçom e mecânico, você também ganhava dinheiro com beijos. Sorri de volta.
Ele tirou um cartão do bolso da frente do macacão e disse:
- Me liga quando precisar de reparos no carro novamente. Peguei o cartão enquanto ele se afastava, estava lendo, quando José entrou pela porta da frente e ligou o carro.

- Espera um pouco José. disse.
- Hey, aqui não tem seu nome e você também não me disse.
- Me liga, e eu te digo. Droga, droga, droga,  ele saber ser sexy, fiquei ali vendo ele entrar no reboque e partir.
- Melissa podemos ir? 
- Podemos José, podemos.

B.L

sábado, 16 de março de 2013

Minha sabotagem esclarecida.....


Descobrir, que eu passei a vida inteira me sabotando, criando motivos e razões para não seguir adiante, foi como se eu deixasse de existir. 
Somente hoje eu percebi isso, sempre que algo de bom acontecia comigo, de um jeito ou de outro, eu criava situações para estragar tudo, mesmo que essa não fosse a minha intenção, lá estava a atitude errada, o sentimento de inferioridade, a ideia de que eu não era digna de tal crescimento, perceber isso me deixou frustrada, por que eu fazia com que as pessoas me amassem, mas eu mesma não me amava, apesar de amigos e familiares, sempre dizerem que eu estava linda, que ser gordinha não era nenhum problema, que eu continuava com uma inteligência e beleza que supriam qualquer resultado físico, tudo isso entrava de um lado da "cachola" e saia pelo outro, eu fazia questão de autoflagelar-me.
Como que eu não percebi isso antes? Simples.
Eu estava acomodada, dizia sempre que estava com a vida bem, que tudo não passava de uma fase, quando me via triste e depressiva, comia mais e mais, fumava mais e mais, me amava de um jeito estranho, fazendo flagelos sentimentais. Achava que não era digna nem do amor que meu marido me dava, colocava empecilhos pequenos, mais diários, e isso me corroía por dentro sem eu sentir, minha habilidade de comunicação com as pessoas esvaía-se de grão em grão. Eu não percebia, que eu conseguia fazer as pessoas me ouvirem e por vontade própria, achava que elas estavam ali por pena, que me ouviam pra rirem depois.
Como eu fui tola nesses 23 anos, vocês podem se perguntar o que me deu esse clarão, bom eu sei o que foi. Decidi fazer faculdade de jornalismo, jogar letras pro ar e alcançar corações, um dia conversando com meu marido ele me perguntou:
- Como você pretende tocar os corações e invadir as mentes, se você não deixa que o seu "eu" sinta isso?

Doeu e muito ouvir isso, mas abriu meus olhos e enxerguei minha sabotagem, e enxergá-la doeu muito mais, sofri dias com isso, até que eu decidi escrever e por pra fora tudo que estava me fazendo mal, e deu certo, descobri que, eu quero superar meus pontos frágeis para me tornar um comunicadora de sucesso. Só tenho a ganhar com isso, porque ocuparei espaços que até agora deixei vazios, por comodismo ou por medo. Chegou a hora de me fazer presente, também por meio das comunicações integradoras. Pegarei meus medos e vou minimizá-los, graças à disposição que tenho agora para superar meus próprios limites! Serei mais ousada e assertiva em minhas ações.

B.L

quinta-feira, 14 de março de 2013

Chapter: 02


Jhonatan


 Acordo com Doug, lambendo minha cara, ele tem essa mania de ser meu despertador, cansado da noite anterior, entro no chuveiro, eu sabia que, chegar tão tarde ontem não ia dar certo, deixo a água bater na minha cabeça, está quen...

-Merda. Vocifero.A resistência do chuveiro, deve ter queimado de novo, saio do box e me enxugo, enrolo a toalha na cintura enquanto saio do banheiro, pego o controle e ligo o rádio, ta tocando Home do Phillip Phillips, o cara manda muito bem, abro o guarda roupa e me visto, desço pra cozinha e encontro a Suzanah preparando meu café.

- Fala ai pirralha, ta fazendo o que pra gente comer?
- Não me chama de pirralha, ou vai sair com fome. Ela me da língua, enquanto eu calço o sapato, sinto cheiro de café e ovo. A Suzanah é minha irmã, nossa mãe foi embora quando ela tinha 8 anos, eu sempre cuidei dela, a pesar de parecer que ela que cuida de mim.
- Você vai trabalhar, em pleno, sábado?
- Tem um evento agora de manhã, e eu preciso de grana se não, quem vai pagar sua escola pirralha?
- Vai vir almoçar em casa?
- Relaxa, hoje eu como na rua.

Acabo de comer e levanto, pego o capacete e abro a porta

- vê se você não se mete em encrenca pirralha.
- Olha quem fala.

Pego a chave da moto, do lado da porta e saio. Subo na moto e chego rapido no trabalho, ainda não tem ninguém, dos convidados, o que é bom, dá pra eu passar na sala do Paulo, bato na porta

- Entra, ta aberta. Diz ele, lá de dentro.
- Fala ai Paulo, tem como você trocar o evento de semana que vem?
- Jhon, a escala já ta certa cara. 
- É que a Suzanah, vai numa exposição no museu e tem que ir um responsável.
- Olha, vou te ajudar, pela Suh.
- Valeu, paulo.

Saio da sala feliz, ela vai gostar de ir comigo e não com a mãe de uma das suas amigas.

Os convidados começam a chegar, e eu, vou servir o champanhe, o evento é pra arrecadar fundos, para as famílias da tragédia da última enchente, só tem gente importante e esnobe, acabo de servir as mesas e estou voltando pra cozinha, quando tudo acontece. Uma louca, que está aos berros com o namorado, agarra meu braço e me beija. Seria estranho mas, ela beija bem, tem gosto do Gloss dela na boca, e a pele dela tem uma cor sensacional, sinto uma corrente de êxtase subir pelo meu corpo, foi como se eu sempre precisa-se disso, sinto uma força contrária me puxar e sinto o soco sem nem mesmo te lo sentido, filho da mãe o riqueinho tem uma bela direita, mal consigo me levantar e ele vem pra cima novamente, mas. dessa vez eu levanto e seguro o pulso dele.

-Luke, seu babaca, para com isso.
- Cala a boca, Melissa, quando eu acabar com ele é a sua vez.
- Mel, Não se mete, deixa o Luke pra lá. Diz a loura, que parece ser, amiga dela.
Melissa o nome dela é melissa e o apelido é Mel, combina com a cor dos olhos dela, os mesmo olhos que agora me encaram segurando o pulso do namorado dela, jogo ele no chão, e pego minha bandeja, enquanto ele esfrega o pulso.

- Luke, você é um filho da mãe, canalha, galinha, acabou. Ela vai embora,sem se despedir.

- Garçonzinho, filho da puta, eu vou quebrar a sua cara.
- quer beijar o chão de novo riquinho ? Os seguranças chega, conheço todos por isso sei que não vou me dar mal.

- O que está acontecendo aqui? Diz o segurança mais velho.
- O senhor está bem? Diz o outro.
-Como assim ele está bem quem apanhou fui eu aqui.
-Ele Agarrou minha namorada. merda, merda, merda.
- ei foi ela que me beijou.
- Ah seu filho... ele avança pra cima de mim novamente.
- Calma, sem briga.
- o que aconteceu aqui ,Jhon? 
- Porra meus pais que estão bancando tudo aqui, você não tem que perguntar nada pra ele, eu já disse como foi.
- Senhor o único com um olho roxo aqui é ele e não tem nenhuma garota. Olho Roxo??? a Suh vai pirar.
- E então Jhon o que Houve? Conto o ocorrido.
- Eu quero prestar queixa contra ele.
- Luke o que está acontecendo aqui? Pergunta um senhor loiro com mais ou menos seus 40 e uma mulher que não parece ter tanto.
- Nada, mãe, vamos sair daqui. Diz o riquinho assustado com a presença dos pais. 
- Luke, você agrediu esse rapaz?
- Não foi nada senhor foi só um esbarrão.
- Sei... ele pega um cartão e me entrega - Qualquer coisa me ligue. Antes que eu possa responder, eles já estão se afastando.
Certo, isso tudo, foi estranho, mas, o Beijo valeu apena.

B.L

Chapter: 01


MELISSA

Eu corro, mas mesmo assim aqueles olhos vermelhos me seguem, está escuro e frio, o que é estranho pra essa época do ano na cidade. Paro em frente ao Teatro Municipal, ofegante, minhas pernas doem mas volto a correr, parece que se eu ficar muito tempo em um mesmo lugar, "eles "vão me encontrar, passo correndo pelo prédio recém reformado da Igreja .

- Merda quebrei meu salto. Abro a bolsa e procuro o celular, 22 duas chamadas do Luke, aperto discar e então aquele sentimento volta, o arrepio na espinha e lá estão aqueles mesmo olhos vermelhos me encarando com fúria, se aproximando mais e mais tento gritar, mas, eles chegam primeiro.

Acordo sobresaltada, estou suando, a cabeça girando e a boca seca. 
Sarah esta balbuciando algo sobre o tempo e sobre banho. Levanto, ainda meio desnorteada, entro no banheiro e me olho no espelho, meu olhos estão inchados de tanto chorar e eu me lembro do motivo, o pesadelo.
Ligo o radio do banheiro e entro no chuveiro, a água está quente e ai sim eu começo a relaxar, reparo que a voz no radio está falando sobre um Brunch beneficente.
Porra, é isso, to atrasada para o Brunch com os pais do Luke.
Saio correndo do box e me enrolo no na toalha, entro no quarto e, lá está ela, parada em frente ao meu armário, escolhendo meus sapatos, visto uma calça jeans e uma regata  que ela escolheu e volto pro banheiro - Não da tempo de me maquiar. Passo somente um batom e volto pro quarto coloco os meus Scarpins e corro atras do celular. 
- esse quarto etá uma bagunça.eu penso
Olho pelo espelho e a vejo me encarando.

- O que foi Sarah?
- "O que Foi Sarah?". Melissa você levantou, me ignorou.
- Desculpa, eu tava tendo um pesadelo, quando fui acordada por uma amiga rabugenta, aliás, como uma pessoa consegue gritar tanto a essa hora da manhã?
- Mel pode parando, pega logo os óculos e vamos embora, agente conversa no carro. 
Reviro os olhos. Como pode ela ser tao rabugenta de manhã?

Pego meu celular, 22 duas chamadas do Luke, estranho. Puxo a Sarah rabugenta pelo braço e bato a porta. Entramos no elevador e mais uma vez aquela calmaria me relaxa, reparo na Sarah, ela esta de vestido e salto , faz o estilo, Serena apesar de ter o humor da Blair, Sorrio.

- Está rindo do que Mel?
- Nada. Sorrio de novo.
- É serio, o que ta pegando Melissa? O elevador abre, salva pelo "Gongo".
- Vamos Sarah? Ela me olha, com aqueles olhos inquisidores.
- Isso não termina aqui Melissa.
- Sarah, carro, Brunch . Sorrio, ela revira os olhos, e lá está, a minha amiga de volta.

Saímos do elevador na garagem e encontramos José, meu motorista. Entramos no carro e saímos do prédio, tento pensar em uma maneira de não contar à Sarah, sobre os pesadelos que ando tendo, pois ela é muito dramática, assim como minha mãe era, vai querer que eu tome remédios e faça consultas com o meu psicólogo. Chegamos quando Faltava cinco minutos pro Brunch começar oficialmente.

Todas as famílias e empresários mais conhecidos da cidade, estavam aqui no hotel, os trajes eram casuais e super descolados, afinal de contas é verão na cidade. Olho em volta e vejo Luke mais a frente, ele esta de costa para mim, com ele estão Lúcio, Vitor e Elisa, a vaca da Elisa está segurando o braço dele.
Eu entro em pânico, só de lembrar que, eles já namoraram, ponho minha taça na mesa, um sorriso falso no rosto, e sigo em frente, cumprimentando alguns amigos, até chegar nele. 
Lúcio é quem me vê primeiro, ele abre um longo sorriso nervoso, enquanto Vitor levanta a sobrancelha alarmando Luke, cumprimento eles, enquanto Luke, se desvencilha de Elisa.

- Mel, você chegou! Dou um meio sorriso e ele me beija meio atrapalhado.
- estou vendo que você passou a frequentar o Aquário local de novo, não é luke?
- Oi melissa. Diz ela com deboche.
Estou prestes a explodir, quando Sarah me pega pelo braço e me arrasta ate a mesa, onde estão alguns dos sócios e empresários que eram, amigos dos meus pais. Minha raiva se vai, quando olho pra eles, e me lembro por que estamos aqui.
O evento vai beneficiar as famílias da última enchente, numa mesa mais à frente, encontro os pais do Luke, Analice é quem levanta primeiro e me abraça, Estevam levanta e me abraça em seguida, eles são donos da maior construtora local e estão sempre envolvidos com filantropia. Como pode o Luke, ser tão diferente dos pais. Procuro Sarah pra me salvar, mas não a encontro, vejo Elisa entrando no banheiro, peço licença à Analice e vou atrás dela. Ela está de frente pro espelho, retocando o batom, tranco a porta, chego por trás dela e a encaro, ela sorri debochando e eu desconfio.

- Vai ficar ai me encarando Melissa?
- Fica longe do Luke. Aviso
- Você só pode estar brincando comigo, se, você cuidasse do seu namoradinho, ele não teria procurado, a bonequinha aqui, depois de te deixar em casa ontem. Ela limpa, o batom, do canto da boca e meus sangue ferve.
- Deixa de ser mentirosa Elisa, eu liguei pra ele ontem, ele estava em casa. Viro em direção a porta, sabendo que ela esta blefando.
- Eu sei disso amor, na hora que você ligou, eu estava no quarto dele, dando uma conferida. Mantenho a mão na porta, deixando a entreaberta.
- Nem, para mentir, você presta, garota. Minha voz falha entregando minha surpresa. 
Saio do banheiro, procurando pelo Luke, no salão. Passo pela Sarah, em direção a ele, abro um sorriso e paro em frente ao Luke, beijo ele no canto da boca e depois sussurro em seu ouvido.

- Quero você, lá fora, em cinco minutos. Dou um sorriso malicioso e mordo o lábio, enquanto vou em direção a saída, paro e viro em direção a ele de novo, cinco minutos, repito.

Mal eu chego do lado de fora, ele aparece com um sorriso no rosto

- Você transou com, a aquela vadia, ontem? Ele tenta disfarçar a surpresa.
- Mel, gatinha, eu sou amarradão na sua.
- Você é Luke? Por que não é isso, que o chupão no seu pescoço diz. Ele coloca a mão no pescoço, tentando esconder,passo por ele indo pegar minha bolsa, escuto seus passos atrás de mim, e sinto seu braço me puxando.
Então tudo acontece, muito rápido, eu grito com ele, dizendo como ele é um canalha e como ele se sentiria se eu fizesse o mesmo com ele.
-Você não teria coragem, Melzinha, teria? Olho incrédula pra ele e depois me viro, procurando a minha vítima, então eu paro e dou de cara com, aqueles olhos sensacionais que vêm na minha direção, uma sensação estranha me preenche, agarro o garçom e o beijo.


B.L